HISTÓRIA

Em 1990, uma família baseada no Hotel do Frade, apaixonada pela natureza e de espírito empreendedor, resolveu produzir palmito de forma sustentável. A eles se juntou Danilo Candia, um agrônomo destemido com o sugestivo apelido de Rambo.

Naquela época, o palmito mais consumido era o Juçara, espécie nativa da Mata Atlântica, porém ameaçada de extinção devido justamente à extração de palmito pelas populações locais.

Pesquisando, Danilo encontrou em Ubatuba uma base de plantação onde estudavam um outro tipo de palmeira que crescia mais rápido e também dava um palmito delicioso: a Pupunha. As mudas tinham vindo do Instituto Nacional de Pesquisa da Amazônia (INPA).

O INPA nos forneceu mais algumas mudas para teste e não deu outra, elas se adaptavam perfeitamente ao clima e ao solo do Frade! Era uma combinação incrível: a palmeira crescia mais rápido, dava um palmito delicioso e permitiria a proteção da Juçara, espécie tão importante pra fauna e flora da já desmatada Mata Atlântica.

A busca por uma quantidade maior de Pupunha nos levou a vila de Yurimaguas, na região do Alto Amazonas peruano. De lá importamos todas as sementes que pudemos e tomou forma a plantação – pioneira no Rio e uma das primeiras do Brasil.

O interesse de chefes de cozinha e da mídia foi grande. Dois anos após o início da plantação já tinham passado por lá: Regina Casé com seu programa do Canal Futura “Um Pê de Quê?”; um programa rural da extinta TV Manchete; e o chefe José Hugo Celidônio, que se encantou e introduziu o palmito Pupunha nos seus restaurantes.

Outro passo importante foi a instalação de uma pequena fábrica no Hotel do Frade, onde os hóspedes podiam aprender mais sobre o produto, acompanhar o beneficiamento in loco e consumir o palmito nos restaurantes do hotel.

Rapidamente o mercado Zona Sul abriu uma filial em Angra dos Reis, e se passou a revender o produto, distribuindo para toda a sua rede de lojas. Foi assim que o palmito Pupunha chegou em maior quantidade no Rio de Janeiro, e passou a ser oferecido no cardápio de restaurantes consagrados da cidade como Antiquarius e Guimas (?).

De lá pra cá, o Palmito do Frade se concentrou no aperfeiçoamento do produto e das entregas, e vem abrindo novos mercados dentro e fora do Rio.

Em 30 anos, com a introdução da Pupunha como substituta da Juçara, temos certeza que além do Palmito do Frade ter levado alimento saudável e saboroso pra muita gente, contribuiu, direta e indiretamente, para a recuperação do eco-sistema da Mata Atlântica.